Home    Colunista    Hemunik Resende    Experimentei, gostei, indiquei

Experimentei, gostei, indiquei

Por Hemunik Resende

09.02.2018

 

 

 

 

Sextou! E junto à tão esperada manifestação cultural que arrasta tantos foliões para as avenidas e também proporciona descanso para outros, além de um lucrativo comércio para os que se dedicam a explorar a data.

 

O carnaval tem tradição histórica desde a antiguidade, mas, vale ressaltar que essa data também é importante para o calendário católico.

 

A festa, por muitos denominada de mundana, se dá pela folia e horas sem fim de total desapego à responsabilidade, porém, pular, brincar, cantar e namorar  é válido e bom, mas cuidados são necessários para com nossas vidas e com a dos outros também.

 

Fica a dica: O Carnaval que é bom pra mim é o que é bom pra você também!!!!

 

Divirtam-se e até semana que vem com uma boa retrospectiva de fotos.



Olha o Carnaval aí, gente!

 

Conhecendo um pouco da nossa história e do nosso carnaval

 

A história do carnaval no Brasil iniciou-se no  Período Colonial. Uma das primeiras manifestações carnavalescas foi o entrudo, uma festa de origem portuguesa que, na colônia, era praticada pelos escravos. Estes saíam pelas ruas com seus rostos pintados, jogando farinha e bolinhas de água de cheiro nas pessoas. Tais bolinhas nem sempre eram cheirosas. O entrudo era considerado ainda uma prática violenta e ofensiva, em razão dos ataques às pessoas, mas era bastante popular.

 

Isso pode explicar o fato de as famílias mais abastadas não comemorarem com os escravos, ficando em suas casas. E, daí surgirem os bailes de máscaras em espaços privados.

 

Curiosidades sobre o Carnaval Brasileiro

 

– O carnaval carioca é considerado a maior festa popular de rua do mundo. De acordo com o Guinness Book, aproximadamente dois milhões de pessoas se divertem nas ruas do Rio de Janeiro durante o carnaval.

 

– A tradição de jogar água, farinha e frutas nas pessoas durante o carnaval tem origem no entrudo. Esta festa ocorria nas ruas e contava com a participação de jovens e crianças. Neste sentido, o entrudo possuía um forte aspecto de entretenimento social.

 

– O primeiro rei Momo foi eleito em 1933, após um concurso organizado pelo jornal carioca A Noite. O mais interessante é que foi eleito, como o primeiro rei Momo da história do carnaval, o cantor e compositor carioca Silvio Caldas.

 

– Os blocos carnavalescos surgiram no Brasil na segunda metade do século XIX. Contavam com a participação de membros das elites urbanas e eram compostos por pessoas fantasiadas, carros decorados e bandas musicais.

 

– O primeiro bloco de carnaval do Brasil foi o Congresso das Sumidades Carnavalescas. Fundado na cidade do Rio de Janeiro em 1855, teve como um dos fundadores o famoso escritor José de Alencar.

 

– As primeiras marchinhas de carnaval surgiram nos salões cariocas por volta de 1880. Foram criadas para animar a festa de forma alegre, irreverente e popular.

 

 Conhecer e Participar com Responsabilidade da nossa História e Cultura.

 

Parecer da Coluna: Experimentei, Gostei, Indiquei

 

 


Amores na Vida e no Carnaval

 

Desde pequena amo o carnaval, e, sempre utilizo fantasias no meu filhote e, nem que sejam, máscaras no pessoal aqui de casa. Penso que a fantasia é uma forma lúdica e brincalhona de você manifestar seus desejos e sonhos, assim, também explicam os psicólogos, ou uma forma de manifestar indignação e críticas; as duas formas são válidas!

 

De onde vem esse gosto pelo carnaval? Olha aí: Essa é minha família, nem todos, uma  pequena parte dela, tendo em vista que somos muitos, no Sambódromo de Vitória, nossa capital, nesse final de semana. Uns foram pela avenida, outros foram destaques de carros alegóricos, mas, todos brincaram e se divertiram!

 

A vocês meu orgulho, alegria e amor! Lindos de viver! Eu também já estive por lá! A diversão e a beleza valem à pena!

 

Parecer da Coluna: Experimentei, Gostei, Indiquei!

 

 

 

Comentários


(28) 3511-7481

 

es.fato@terra.com.br

redacao@jornalfato.com.br

 

Faça parte de nosso Facebook!

 

© 2016 Jornal Fato. Todos os direitos reservados.