Home    Colunista    Wagner Santos    Redes sociais aprofundam as diferenças políticas

Redes sociais aprofundam as diferenças políticas

Por Wagner Santos

15.07.2017

 

 

 

O que põe o mundo em movimento é a interação das diferenças, suas atrações e repulsões; a vida é pluralidade, morte é uniformidade

Octavio Paz


As redes sociais descortinaram um maravilhoso mundo novo de relacionamentos e expressão horizontal. No entanto, nem tudo é bonança na linha do tempo. Em muitos casos, o que parecia aproximar as pessoas, as tem isolado em bolhas alheias ao que ocorre no mundo real.

 

Boa parte deste distanciamento se dá por conta dos algoritmos, que selecionam conteúdos conforme a atividade dos usuários. Assim, as preferências, demonstradas através de reações ao que se posta, vão delimitando aquilo que se tem acesso a cada visita ao mundo virtual.

 

Isso diminui o espaço para o contraditório. As pessoas são reunidas virtualmente por suas afinidades, o que reduz os conflitos, porém mascara a realidade.  O resultado é a limitação do debate de ideias na internet. O dono do perfil sempre tem razão.

 

Há formas de burlar em parte essa uniformização do pensamento, que é alienante. Para isso, é preciso aceitar opiniões divergentes. Mas, nos tempos atuais, a alteridade está em baixa.

 

Os contrapontos, que porventura consigam furar o boqueio dos algoritmos, prontamente são rechaçados por quem teve a ideia contestada. Aqueles que pensam diferentes são comumente banidos (bloqueados ou não mais seguidos).

 

O engajamento impede que as pessoas enxerguem os argumentos do outro. É uma constatação que ganha contornos ainda mais preocupantes quando políticos incorrem. Incapazes ou indispostos a debater suas verdades, ajudam a aprofundar a divisão que impede ao país retomar o rumo.

 

E se são esses políticos que têm mais chance de chegar ao poder, não haverá em curto tempo esperança de que o debate político deixe a polarização estúpida que já se assemelha aos embates entre torcidas organizadas de futebol.   

 

As diferenças são essenciais para que se possa cunhar cenário mais abrangente da realidade, mas o que se percebe é o isolamento, que favorece, quando rompida a bolha, a agressão e a difusão de mentiras ferindo a honra e a dignidade de outras pessoas.

 

Mesmo o jornalismo é duramente criticado quando descolado das opiniões políticas dos grupos, o que faz crescer índice de descrença na imprensa.  É o que se tem chamado de pós-verdade ou verdades alternativas. Pouco importa o fato. É preferível a mentira, caso confirme posição pré-estabelecida.

 

 

NA REDAÇÃO. A diretora geral da Faculdade Multivix - Cachoeiro, Alcione Cabaline e o servidor da Prefeitura, Alexandre Gasparini, estiveram nesta semana com o colunista, Wagner Santos, na sede do jornal Espírito Santo de FATO.  Conversaram sobre comunicação, ciência, tecnologia e inovação (Foto: Dayane Hemerly)

 

Sobe

 

Convalidação

 

O Senado Federal aprovou, na noite desta quarta (12), o projeto de lei que convalida os benefícios fiscais concedidos pelos estados sem a aprovação do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) e cria regra para a extinção de todos os convênios. O texto aprovado teve a relatoria do senador Ricardo Ferraço e segue para sanção presidencial.

 

Desce

 

Imposto sindical

 

Depois de avaliar retirar o fim da obrigatoriedade do imposto sindical da reforma trabalhista, o Governo Federal enterrou de vez a contribuição. A minuta da medida provisória que deve regulamentar pontos das novas regras na legislação trabalhista, distribuída na última quinta-feira aos senadores, não prevê a retomada da discussão.

 

Mas, hein?!

 

Será que alguma liderança política vai fugir do Fla x Flu ideológico e pregar a reconciliação do país?

 

Vias de FATO

 

O vice-governador César Colnago e o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel discutem amanhã a retomada das atividades da Samarco. O encontro acontece na cidade de Mariana (MG).

 

A empresa está com as atividades paralisadas desde 2015, quando houve o rompimento da Barragem de Fundão, em Mariana.

 

Já se sabia que os capixabas entendem de café, rochas ornamentais e de uma boa moqueca.

 

Mas nas últimas semanas ficou evidente que também entendem, e muito, de boas ideias.

 

O Sinapse da Inovação Espírito Santo, promovido pelo governo, recebeu 1272 ideias inovadoras e mais de 5 mil empreendedores foram capacitados na primeira fase do programa.

 

O excesso de buracos nas ruas de Cachoeiro são mal que atravessam governos sem nunca ser sanado.

 

 

 

 

 

Comentários


(28) 3511-7481

 

es.fato@terra.com.br

redacao@jornalfato.com.br

 

Faça parte de nosso Facebook!

 

© 2016 Jornal Fato. Todos os direitos reservados.