Home      Educação

Governo amplia atendimento da Educação de Jovens e Adultos

20.12.2016

 

 

 

Foto: Divulgação

 

ADI-ES

 

2017 vai marcar uma nova fase na Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Espírito Santo. Com o objetivo de tornar mais eficiente a metodologia de ensino e facilitar o acesso dos jovens acima de 15 anos que queiram concluir o ensino fundamental ou médio, o governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Educação, vai ampliar o número de estabelecimentos que oferecem aulas para a EJA. Outra novidade é a mudança do atual sistema de aulas presenciais para semipresenciais.

 

As informações são do secretário de Estado da Educação, Haroldo Rocha. Em entrevista coletiva realizada nesta segunda-feira (19), ele anunciou as duas mudanças fundamentais. A primeira se refere à modalidade de ensino da Educação de Jovens e Adultos (EJA) que passa a ser semipresencial.

 

Isto é, a carga horária de 12 aulas presenciais (semanais) vai ser realizada presencialmente nas terças-feiras, quartas-feiras e quintas-feiras. Nas segundas-feiras e nas sextas-feiras os alunos terão atividades para serem realizadas no horário que eles quiserem.

 

Outra mudança é a expansão do número de escolas que passa a atender ao EJA. Atualmente, apenas nos quatro municípios onde estão localizadas as Superintendências Regionais de Educação tem Centros Estaduais de Educação de Jovens e Adultos (Ceejas): Vitória, Linhares, Colatina e Cachoeiro de Itapemirim. Nestas unidades, em 2016, 10.738 estudantes foram atendidos de forma individual e personalizada utilizando módulos.

 

Para 2017, serão criados os Núcleos Estadual de Educação de Jovens e Adultos (Neeja), em mais sete municípios: Afonso Cláudio, Alegre, Cariacica, Governador Lindenberg, Nova Venécia, São Mateus e Vila Velha. O secretário da Educação informou que nestes Núcleos, os professores terão como apoio didático a coleção PNLDEJA (livros específicos), a plataforma Sedu Digit@l, a plataforma Currículo Interativo, entre outros, a fim de subsidiar seu planejamento e avaliação.

 

“As nossas 225 escolas que ofertam a modalidade de EJA terão mais flexibilidade para atender aos alunos que não conseguiram concluir o Ensino Fundamental ou Médio no período certo. Hoje ele é um trabalhador e vai poder frequentar aulas nas terças-feiras, quartas e quintas e nas segundas e sextas-feiras, vai estudar seguindo os materiais e as orientações dos professores. Ele vai ganhar mais flexibilidade e mais condições de cumprir o que for preciso fazer para ter o certificado de ensino fundamental ou médio”, disse Haroldo Rocha.

 

 

 

 

Comentários


(28) 3511-7481

 

es.fato@terra.com.br

redacao@jornalfato.com.br

 

Faça parte de nosso Facebook!

 

© 2016 Jornal Fato. Todos os direitos reservados.