Home      Geral

Comitiva cachoeirense vai a Medellín

Viagem a Medellín foi inspirada após palestra realizada ontem pelo jornalista colombiano Jorge Melguizo

12.10.2017

 

 

 

O público lotou auditório do Sest/Senat para ouvir palestra de Jorge Melguizo, que atuou na prefeitura de Medellín (Foto: Alessandro de Paula)

Conhecida no passado como a terra do narcotráfico, a cidade de Medellín, na Colômbia, se transformou em exemplo no mundo todo de como é possível mudar o rumo de um povo por meio da educação e de uma sociedade organizada.

 

Para conhecer de perto o exemplo exitoso daquela cidade, uma comitiva formada por empresários e políticos de Cachoeiro e do Sul do estado está organizando uma viagem a Medellín. A data ainda não foi definida.

 

A inspiração para a vista a Medellín surgiu nesta quarta-feira (11), durante palestra do jornalista Jorge Melguizo, que atuou na Prefeitura de Medellín durante o período de transformação, e que explanou sobre as ações que mudaram aquela cidade.

 

A palestra “A Transformação de uma cidade a partir da sociedade: o caso Medellín” foi promovida pelo SicoobCredirochas e Movimento Empresarial do Sul do Espírito Santo (Messes) no auditório do Sest/Senat na manhã de ontem.

 

Em Medellín, Jorge Melguizo foi secretário de Desenvolvimento Social; secretário de Cultura Cidadã; gerente do Centro e prefeito em exercício em várias oportunidades. Devido à sua experiência adquirida, ele atua como consultor em vários países da América Latina.

 

Traduzido simultaneamente para o português, o palestrante mostrou como a cidade mudou ao longo de 25 anos, com uma redução em 95% das mortes violentas. Para ter uma ideia, explicou Jorge, o índice de mortes violentas em Medellín chegou a 382 por 100 mil habitantes, ou seja, dez vezes mais do que a taxa no Espírito Santo, que é de 35 a 38 por 100 mil.

 

“Tínhamos bairros com 20 mortes em uma semana e que atualmente passam três a quatro anos sem nenhuma morte. A violência não acabou, mas reduziu muito”, destacou Melguizo.

 

Segundo o jornalista, o que ocorreu é que a sociedade decidiu “dar um basta” e se organizar. As mudanças ocorreram por meio da educação, com instalação de escolas e outras ações de ocupação social nos bairros de periferia, além de alianças entre poder público, iniciativa privada e a sociedade e uma forte fiscalização junto ao poder público.

 

O QUE ELES FALARAM

 

“Olhando para esse processo, que durou aproximadamente três décadas de trabalho intenso, a conclusão óbvia que tiramos é que é possível, pois em que pese nosso desafio ser grande, com certeza é infinitamente menor ao desafio enfrentado por Medellín e Bogotá. O índice de violência no Espírito Santo, que é alto, está em 35 a 38 mortes violentas por 100 mil habitantes. Lá nesse período dramático alcançou 382 por 100 mil. Ou seja, nossa taxa representa 10%”.

Ricardo Ferraço, senador

 

“Eu tive a oportunidade de visitar Medellín há uns três meses e posso dizer que a palestra não conseguiu mostrar tudo o que a cidade representa, pois é tudo isso e muito mais. Eu fiquei encantado com a cidade, impressionado. Encontrei lá homens públicos que investem no conhecimento, um governo com plano de estratégia inteligente, a partir do conhecimento e não no achismo. É o governo que serve ao cidadão”.

Evair Vieira de Melo, deputado federal

 

“O objetivo do Messes é envolver a sociedade na sua própria transformação. Portanto, essa palestra atendeu na totalidade nossa expectativa. Esperamos daqui para frente deslanchar com os projetos que já temos, como por exemplo, o observatório da violência. Essa é a função do Messes, congregar os empresários e as lideranças comunitárias no sentido de promover o desenvolvimento sustentável para a região Sul. Medellín é uma referência para todo mundo, de uma cidade que se transformou”.

Ricardo Coelho de Lima, secretário executivo do Messes

 

“A primeira coisa que pude observar é que não podemos perder a esperança nunca, pois ao avaliar uma cidade como Medellín, numa situação muito mais crítica do que vivemos no nosso País hoje, e perceber que lá eles conseguiram reverter e se tornar num exemplo. Isso nos vitamina, nos anima e nos faz acreditar que temos potencial e que existe uma forma. A solução existe e temos que correr atrás dela. Não adianta colocar a culpa na instituição pública, na corrupção. Reclamar não vai resolver”.

Tales Pena Machado, presidente do SicoobCredirochas e do Sindirochas

 

“Ouvimos aqui uma experiência muito exitosa de uma cidade que foi tratada com um outro foco, com visão de gestão pública diferente da tradicional, buscando através da ocupação social o sentimento de pertencimento da sociedade. Essa ferramenta revolucionou Medellín e transformou a cidade em um exemplo exitoso que serve para Cachoeiro e outras cidades do país. É um resultado de longo prazo e portanto temos que começar a plantar logo políticas públicas voltadas para as pessoas”.

Victor Coelho, prefeito de Cachoeiro de Itapemirim

 

 

 

 

Comentários


(28) 3511-7481

 

es.fato@terra.com.br

redacao@jornalfato.com.br

 

Faça parte de nosso Facebook!

 

© 2016 Jornal Fato. Todos os direitos reservados.