Homenagem a dona Eloisa - Jornal Fato
Artigos

Homenagem a dona Eloisa

Com seu jeito sempre sorridente e enternecedor, fez de sua vida inteira, como todos sabemos, um ato de auxílio ao outro...


Quando tomei conhecimento de que dona Eloisa Valadão seria homenageada nos eventos da Feira da Bondade, bem perto de mim, lembro-me bem, gorjeavam pardais. Sim, pardais, que há muito habitavam a copa de nossas árvores e, por razões cotidianas, desapareceram, sobrevieram e, misteriosamente, como que entoando cânticos de glória, apareceram.

Decerto que a notícia, para mim e todos nós da "Capital Secreta do Mundo" soou como uma sinfonia justa e merecida de pássaros.  Eloisa, pelo que sei, não é apenas a idealizadora da "Feira da Bondade", manifestação explícita do melhor amor. É exemplo de mulher, mãe, esposa e concidadã.

Com seu jeito sempre sorridente e enternecedor, fez de sua vida inteira, como todos sabemos, um ato de auxílio ao outro, a quem devotou tantos quadrantes de sua vida. Mulher de hábitos simples e sem sofisticações, é paradigma para gerações e gerações, espargindo amor e consolo a tantos.

Li em algum lugar que: "fora da caridade, não há salvação". Estais salva, dona Eloisa. Apenas lamento que no dia honorífico, estarei viajando. Apreciaria imensamente testemunhar essa digna homenagem.

Invés disso, dona Eloisa, receba esse texto afetuoso com o perfume das primeiras rosas, dos primeiros botões, do jardim inteiro. Quiçá, além dos pássaros, o mundo fosse povoado de Eloisas. Parabéns ao prefeito pela correta iniciativa. Parabéns à bondade que, a despeito de todo avanço das formas de destruição, sempre prevalece.

 

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

 

Sorri, assim, para mim, diante dos espelhos de meus olhos... 

Contei segredos meus, para meus ouvidos guardarem até meu próprio silêncio... 

Deixei que o vento erguesse cada ponta dos meus dedos, e meus dedos apontavam os seus, lacrados nos punhos cerrados. 

Disse palavras sem nexo. Versos em abundância para cada rima impedida. 

E então, desatento aos desastres, fiz da vida o milagre, do milagre fiz a vida, e da vida a alegria.


Giuseppe D'Etorres Advogado

Comentários

VEJA TAMBÉM...